domingo, 31 de julho de 2011

Vereador Waldemir José fará ato de entrega das 61.300 assinaturas em prol da CPI da Licitação do Transporte Coletivo

Segunda-feira, dia 01 de agosto, às 09:00 horas, o Vereador Waldemir José (PT-AM), realizará um ato para entregar as 61.300 assinaturas do abaixo-assinado em prol da “CPI da Licitação do Transporte Coletivo”, que foram coletadas durante quase dois meses. Por isso, o parlamentar convida as lideranças dos Movimentos Sociais, Populares e Sindicais para participarem do mencionado evento na Câmara Municipal de Manaus.

Dia: 01/08/2011 (Segunda-feira);
Local: Câmara Municipal de Manaus;
Endereço: Av. Pe. Agostinho Caballero Martin;
Bairro: Santo Antonio;
Horário: 09:00 horas;
Contato: (92) 3303-2842 ou (92) 9230-7385.

REFEIÇÃO DE GRAÇA PARA QUEM ESTIVER DISPOSTO A GERAR ELETRICIDADE

O Crown Plaza Hotel, em Copenhague, Dinamarca , oferece uma chance para quem quer fazer uma boa refeição sem deixar de cuidar do planeta. O hotel disponibiliza bicicletas ligadas a um gerador de eletricidade para os hóspedes voluntários. Cada um deles deve produzir pelo menos 10 Watts/hora de eletricidade aproximadamente 15 minutos de pedalada para um adulto saudável. Após o exercício, o hóspede recebe um generoso vale-refeição: 26 euros, aproximadamente 60 reais.

Fonte: http://hypescience.com/as-10-ideias-sustentaveis-mais-curiosas/gr1/

ALTPET realiza Cursos Gratuitos de Técnicas de Vendas e Maquiagem

O Instituto Tecnológico Alternativo de Petrópolis - ALTPET, em parceria com o Serviço Nacional do Comércio do Amazonas - Senac-Am, estarão realizando gratuitamente os cursos de Técnicas de Vendas (08 a 19 de agosto de 2011) e Auto-Maquiagem (22 a 26 de agosto de 2011). Os cursos serão realizados no horário da tarde. As inscrições poderão ser feitas através do site: http://www.altpet.org.br/.

POR UM BRASIL ECOLÓGICO, LIVRE DE TRANSGÊNICOS E AGROTÓXICOS

A sessão de lançamento de O Veneno está na mesa foi aclamada por cerca de 800 pessoas que lotaram o teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, dia 25/07. O novo documentário do cineasta Silvio Tendler explora as mazelas humanas e ambientais decorrentes do fato de o Brasil ser o maior consumidor mundial de agrotóxicos.

Realizado com o apoio da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, o filme recupera as origens da revolução verde para apresentar a lógica insustentável do modelo agrícola que deu ao país esse título difícil de ostentar. Aqui o destaque vai para grandes multinacionais da química, que viram na agricultura o mercado perfeito para substituir o uso bélico do agente laranja, napalm e outros.

A atualidade urgente do tema é retratada a partir de um recorte de reportagens exibidas recentemente em emissoras nacionais e regionais de TV e de rádio. Do Rio Grande do Sul ao Ceará, passando pelo Mato Grosso e Espírito Santo, o que se vê é que o discurso das safras recordes ou da sustentação da balança comercial não mais dá conta de esconder seu lado nefasto. Os principais especialistas em saúde ambiental e toxicologia trazem casos e dados dos prejuízos causados por um modelo de agricultura que não cresce sem agrotóxicos, e que hoje, em claros sinais de saturação, usa mais agrotóxicos do que cresce. Contudo, está no ar uma nova investida de marketing que diz que é esse “o Brasil que cresce forte e saudável”.

Mas a agricultura orgânica não daria conta de alimentar a população, dizem. Se a agricultura orgânica for entendida como aquela em que se tira a química e pronto, isto é fato, conforme resume Ana Maria Primavesi, referência mundial em manejo ecológico dos solos. Porém, se o solo for vivo e alimentado para sustentar grande diversidade de organismos, este produzirá plantas saudáveis, em quantidade, ao mesmo tempo que dispensará os agrotóxicos. A conclusão de Primavesi, que também é produtora, é confirmada na prática pelo depoimento do agricultor do interior paulista que tira 15 toneladas de alimentos por ano de cada um dos 20 hectares que cultiva sem venenos e adubos químicos. Do Rio Grande do Sul vem o exemplo do produtor familiar que recriou sua própria semente de milho crioulo após ter perdido as variedades tradicionais que cultivava, substituídas pelas híbridas.

Esse caminho cada vez mais confirma sua viabilidade. Faltam agora as políticas certas que farão crescer a agricultura que vai tirar o veneno da mesa.

FRANCISCO PRACIANO: O povo deve decidir*

O artigo 14 da nossa Constituição prevê que a soberania popular será exercida por um processo de escolha em que todos os cidadãos têm direito ao voto secreto, com valor igual para todos. O inciso II, do mesmo artigo, prevê o referendo como uma das formas da população exercer sua soberania. O referendo nada mais é do que uma forma de consulta ao cidadão sobre um tema de grande importância que foi colocado em determinada lei.

O exemplo de referendo mais conhecido no Brasil é o do desarmamento, que aconteceu em 2005 e pelo qual o povo brasileiro decidiu sobre a proibição de comercialização de arma de fogo e munição em todo o território nacional. Para quem não se lembra, 64% da população disse não à proibição da venda de armas no país, enquanto 36% respondeu sim.

Por estes dias, o Prefeito de Manaus encaminhou um Projeto de Lei à Câmara Municipal que autoriza a Prefeitura a conceder o uso de imóveis do patrimônio público para a iniciativa privada, por um período de até 60 anos. Caso a matéria seja aprovada, a iniciativa privada poderá explorar, comercialmente, prédios e equipamentos como o Mercado Adolpho Lisboa, as feiras e parques municipais, a área comercial da Ponta Negra (que está sendo reformada pela Prefeitura), as quadras de esporte e outros imóveis do sítio histórico de Manaus. Entendo que uma proposta como essa, que poderá, inclusive, resultar em mais carestia dos preços dos alimentos ou em maiores dificuldades para a utilização, pela população, de áreas destinadas ao esporte e lazer, não pode ficar restrita apenas à Câmara Municipal, principalmente se lembrarmos o fiasco que foi a privatização dos serviços de água que até agora não resolveu o problema de abastecimento de água da cidade. No meu entendimento, a população tem o direito de ser chamada a dizer se concorda ou não com essa proposta da Prefeitura.

* Publicado na terça-feira, 26 de julho /2011, no Jornal Dez Minutos

O novo alvo do furor privatista de Amazonino Mendes


Se Amazonino Mendes continuar ocupando cargos no Executivo de Manaus ou do Amazonas dentro de alguns anos até o encontro das águas estará privatizado. Ninguém cruzará os rios Negros e Solimões sem pagar caro por isso. E têm sido caros os serviços já privatizados em gestões passadas pelo atual prefeito de Manaus.

A mais contundente evidência dessa afirmação são os serviços da empresa Águas do Amazonas. A concessionária dos serviços de águas e esgoto da cidade de Manaus foi privatizada no ano 2000 pelo governo do Estado, sob o comando de Mendes, num processo tumultuado, onde colidiam interesses e competências da municipalidade e do governo estadual. Mas, o processo prosseguiu e foi concluído, garantindo a empresa Águas do Amazonas - então subsidiária do grupo Suez-Lyonnaise des Eaux– a exploração dos serviços de fornecimento de água por 25 anos.

O serviço é caro e prestado de forma comprovadamente ineficiente. Usuários são surpreendidos com contas de valores estratosféricos e muitos, nos dias de hoje, não sabem o que fazer para pagar débitos que nem imaginam como contraíram. Várias cláusulas do contrato não foram cumpridas pela empresa concessionária, dentre algumas irregularidades amplamente divulgadas pelos meios de comunicação.

Agora, o alvo da privatização são as feiras, mercados e terminais de ônibus de Manaus. O processo já começa tiranicamente de cima para baixo, sem discussão com os permissionários, sem informações concretas sobre os planos da Prefeitura de Manaus para o setor. E mais uma vez os principais interessados não são devidamente esclarecidos e tomaram conhecimento por meio da imprensa, que divulgou informação do diretor presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano –Implurb, dando conta de que já estão prontos os editais para licitação para administração das feiras e mercados da cidade.

Uma das marcas do furor privatista de Amazonino Mendes tem sido a falta de transparência. Isto, aliás, se bem analisados todos os atos por ele praticados enquanto à frente do Executivo Municipal ou Estadual, tem sido uma das suas principais características. Seus principais atos têm sido elaborados misteriosamente nos bastidores.

É bem verdade que as feiras e mercados de Manaus precisam melhorar muito em vários aspectos: aparência, organização, higiene, atendimento, etc. Mas isso não é argumento para privatizar, para tirar do poder público a responsabilidade de zelar pelo patrimônio dos manauenses; para colocar em mãos particulares serviços que poderão causar ainda mais prejuízos aos permissionários e à população. Das experiências de privatização promovidas pelo atual prefeito de Manaus em governos anteriores, nada de bom podemos esperar.

Enviado por: Socorro Holanda de Arruda

I SEMANA DE ECONOMIA DA UEA DE MANACAPURU

O Curso de Ciências da Universidade do Estado do Amazonas - UEA de Manacapuru promove o Simpósio “Cadeia de Valor de Fibras Naturais do Baixo Rio Solimões: sistemas produtivos, linhas de financiamento e assistência técnica”.

O Simpósio será realizado no dia 17/8, com início às 18 horas e encerramento às 22 horas. O evento será aberto para o público em geral: empresários, estudantes, produtores, cooperativas, associações, agentes públicos e demais interessados. Os estudantes do ensino superior que assistirem ao Simpósio serão certificados com 4 (quatro) horas de atividade complementar.

As atividades serão iniciadas com a apresentação do trabalho de pesquisa realizado pelos estudantes do Curso de Ciências Econômicas da UEA/MPU e culminará com a participação dos representantes do Banco do Brasil e do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (IDAM), palestrando sobre o financiamento e a assistência técnica para a cadeia produtiva de fibras naturais em Manacapuru e no Amazonas.

As inscrições poderão ser feitas pelo e-mail: gedsa.mpu@gmail.com ou pelos pelos fones (92) 9129-5001 ou (92) 8177-1418.

Audiência Pública da revisão do plano diretor de Manaus será na Zona Oeste


Na noite da próxima segunda-feira (01/08), a partir das 18:00 horas, os moradores da Zona Oeste poderão participar da penúltima rodada de audiências públicas para a Revisão do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus (PDUAM). A reunião será no auditório do Ministério Público do Estado do Amazonas, na antiga Estrada da Ponta Negra, próximo ao Supermercado DB.

Plano Diretor é um conjunto de leis que tem o objetivo de organizar o crescimento e funcionamento da cidade. O Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus começou a ser revisado em maio deste ano, pois o atual está em vigor desde 2002 e já possui dez anos.
 
Local: 
Ministério Público do Estado do Amazonas
Zona:
Oeste
Endereço:
Av. Cel. Teixeira, 7995 - Nova Esperança

Brasil gerou 215 mil empregos em junho

 
O Brasil gerou em junho 215.393 postos com carteira de trabalho assinada, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Entre janeiro e junho foram gerados 1.414.660 empregos celetistas, terceiro melhor resultado para o período na série de saldos semestrais.

ALFREDO NASCIMENTO EM 1988: "Havia tanta corrupção que ficamos assustados"

O Cabo Nascimento, que chegou no Amazonas como Controlador de Voo, tornou-se senador graças ao seu criador. Subiu várias escadas no serviço público, pelas mãos do amigo e criador Amazonino Mendes, que o tornou prefeito em 1988, depois de depor na porrada Manoel Ribeiro (que saiu chorando da prefeitura, pois os capangas do Amazonino rasgaram sua florida camisa de seda).
 
Mas, qual a importância deste acontecimento hoje? É que ao assumir a prefeitura e fazer uma devassa nas contas de Ribeiro,  no dia 7 de julho daquele ano, Nascimento chamou a imprensa e contou a seguinte história: "Havia tanta corrupção que ficamos assustados. Era uma coisa descarada o que havia aqui".

Segundo Alfredo, o arauto da corrupção baré, o dinheiro destinado  à construção de casas no bairro Tancredo Neves seguiu outro caminho: o Conselho Comunitário Feminino, de onde era desviado pelos asseclas de Ribeiro. "E os cofres da Secretaria de Saúde foram tomados por assaltantes".

 Nunca se soube o tamanho da corrupção atribuída a Manoel Ribeiro, porque aqueles eram tempos difíceis. A imprensa dizia o que o governante de ocasião queria ou pagava. Hoje Alfredo sente na carne o que sentiu Ribeiro: revolta. E ouve acusações tão semelhantes quanto àquelas que fez ao hoje  diretor-presidente do Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb), e novo amigo de Amazonino Mendes. Portanto, Alfredo, o mundo dá tantas voltas...

Conheça os novos partidos do Brasil: PS, PEN...

Um partido político é um grupo organizado formal e legalmente constituído, com base em formas voluntárias de participação, em uma associação orientada para influenciar ou ocupar o poder político em um país em que se faz presente. Ainda não existem partidos políticos organizados a nível mundial. 
 
No Brasil, há 27 partidos nacionais registrados no Tribunal Superior Eleitoral - TSE; 07 apenas com registro estadual, dentre eles, o Partido Social (PS) e o Partido Ecológico Nacional (PEN); 31 em processo de legalização, entre os quais, o Partido Social Democrático (PSD); e 15 sem qualquer registro.   
 
Relação dos partidos políticos em atividade no Brasil:
  1. Partido do Movimento Democrático Brasileiro - PMDB;
  2. Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB; 
  3. Partido Trabalhista Brasileiro PTB; 
  4. Partido Democrático Trabalhista PDT; 
  5. Partido dos Trabalhadores PT; 
  6. Democratas - DEM; 
  7. Partido Comunista do Brasil - PC do B; 
  8. Partido Socialista Brasileiro - PSB; 
  9. Partido Trabalhista Cristão - PTC; 
  10. Partido Social Cristão - PSC; 
  11. Partido da Mobilização Nacional - PMN; 
  12. Partido Republicano Progressista - PRP; 
  13. Partido Popular Socialista - PPS; 
  14. Partido Verde PV; 
  15. Partido Trabalhista do Brasil - PT do B; 
  16. Partido Renovador Trabalhista Brasileiro PRTB; 
  17. Partido Progressista - PP; 
  18. Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado - PSTU; 
  19. Partido Comunista Brasileiro PCB; 
  20. Partido Humanista da Solidariedade - PHS; 
  21. Partido Social Democrata Cristão - PSDC; 
  22. Partido da Causa Operária - PCO; 
  23. Partido Trabalhista Nacional - PTN; 
  24. Partido Social Liberal - PSL; 
  25. Partido Republicano Brasileiro - PRB; 
  26. Partido Socialismo e Liberdade - PSOL; e 
  27. Partido da República - PR.
Partidos sem Registro Nacional
São partidos em processo de registro, que já possuem registro deferido pelo TRE em pelo menos um estado, com registro de numero de assinaturas, mas ainda sem registro junto ao TSE.
 
Relação dos partidos com registro em TREs:
 
  1. Partido Cristão (PC) registrado em: Bahia, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio de Janeiro, Distrito Federal; 
  2. Partido da Transformação Social (PTS) registrado em: Ceará e Maranhão; 
  3. Partido Ecológico Nacional (PEN) registrado em: Roraima, Maranhão, Amapá, Paraná, São Paulo, Amazonas, Pará, Sergipe, Alagoas e Espirito Santo; 
  4. Partido Federalista (PF) registrado em: Ceará; 
  5. Partido Humanista do Brasil (PHB) registrado em: Ceará; 
  6. Partido Pátria Livre (PPL) registrado em: Ceará, Espírito Santo, Distrito Federal, Mato Grosso, Pará e Paraná; e
  7. Partido Social (PS) registrado em: Alagoas, Amazonas, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Paraiba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, São Paulo e Sergipe.
Relação dos partidos em processo de legalização:
  1. Conservadores (CONS); 
  2. Libertários (LIBER); 
  3. Movimento Negação da Negação (MNN); 
  4. Partido Autonomista (AUTO); 
  5. Partido da Organição Parlamentar (POP); 
  6. Partido Conservador (P-CON); 
  7. Partido da Justiça Social (PJS); 
  8. Partido da Juventude Democrata Cristã (PJDC); 
  9. Partido da Mobilização Popular (PMP); 
  10. Partido da Mulher Brasileira (PMB); 
  11. Partido da Real Democracia (PRD); 
  12. Partido de Representação da Vontade Popular (PRVP); 
  13. Partido do Esporte (PE); 
  14. Partido do Movimento Democrático Cristão (PMDC); 
  15. Partido do Terceiro Setor (P3S); 
  16. Partido Geral do Trabalho (PGT); 
  17. Partido Geral dos Trabalhadores do Brasil (PGT do B); 
  18. Partido Liberal Democrata (PLD); 
  19. Partido Livre (LIVRE); 
  20. Partido Nacional do Consumidor (PNC); 
  21. Partido Nacionalista Brasileiro (PNB); 
  22. Partido Nacionalista Democrático (PND); 
  23. Partido Novo (NOVO); 
  24. Partido Progressista Cristão (PPC); 
  25. Partido Republicano Operário (PRO); 
  26. Partido Social Democratico (PSD); 
  27. Partido Socialista da República (PSR); 
  28. Partido Socialista Estudantil (PSE); 
  29. Partido Verde Amarelo (PVA); 
  30. União Democrática Nacional (UDN); e
  31. Partido Republicano da Ordem Social (PROS)
Partidos sem registro:

Reflexão: "Dai- lhe vós mesmo de comer "

Por: Júlio Lázaro Torma*
 
Mateus nos fala sobre a multiplicação dos pães ou o " banquete da vida", em oposição ao banquete de aniversário do Rei Herodes Antipas que manda matar João Batista, onde há fartura, concentração de alimentos que é o " banquete da morte".

O texto de Mateus 14,13-21 é cheio de simbologia, onde temos 5 pães, 2 peixes, 12 cestos e 5 mil homens que seguem a Lei. 5 pães são os cinco livros da Torah (Pentateuco), á palavra de Deus. Peixe (presença salvadora de Jesus), os primeiros cristãos representavam Jesus com o acrostico do peixe, as letras IXTU ( Iesus Xristós Théou Uios Seteer), " Jesus Cristo Filho de Deus Salvador"; 12 para o povo judeu é a totalidade e plenitude, os 12 meses do ano; 12 tribos do povo eleito (Israel) e 12 apóstolos (Igreja). O deserto é o local da passagem dos 400 anos de escravidão dos hebreus nas mãos dos egípcios e a caminhada para a terra que mana leite e mel. Sentar na Bíblia é sinal de soberania e poder, relva é a fartura e abundancia.
 
5 mil homens, sem contar as mulheres e crianças que foram alimentados, poderia estar ali presentes de 15 a 30 mil pessoas, que seria muita gente para o território da Galiléia.

A vida de Jesus inicia em Belém (casa do pão), antes de sofrer a morte, ele se entrega a nós na Santa ceia em forma de pão. Ele é o " pão da vida que desceu do céu" (Jo 6,41), como o maná que alimentou o povo de Israel durante 40 anos no deserto do Sinai.

O seu programa de vida é dar vida aos mais pobres, como anunciou na sinagoga de Nazaré (Lc 4,18-19), e falou" EU VIM PARA QUE TODOS TENHAM VIDA EM ABUNDÂNCIA E PLENAMENTE" (Jo 10,10). O seu programa de vida vai contra o projeto da elite judaica e da dominação romana de seu tempo que oprime o povo de Israel. O povo sai das cidades local de opressão e vai ao deserto, ao encontro de Jesus, que tem compaixão e cura as suas doenças.

A Missão de Jesus é " curar" e "alimentar", o povo que está doente e faminto,ele não lhe dá as costas.Os discípulos tem pena do povo,mas se acham impotentes em alimenta-los,e na ótica mercantil,mandam o povo embora para comprar alimentos,como falando não temos condição de alimenta-los.
 
Jesus lhes manda: " Dai- lhe vós mesmo de comer" (Mt 14,16), em Marcos, fala:"Vocês é que têm de lhes dar de comer" (Mc 6,37), onde não devemos de fugir da nossa missão, que é de anunciar a Palavra de Deus e também de alimenta-los, com o alimento material.

A proposta de JESUS é simples para resolver o problema da fome, é em Marcos a organização do povo em pequenos grupos de 100 a 50 pessoas, numa solução justa de partilhar o alimento, diferente daqueles que controlam o dinheiro e que não mata a fome do povo.

JESUS abençoa o pão como na ceia familiar judaica em que o pai de familia, dono da casa, abençoa o pão e depois reparte com os outros membros da casa. Cinco pães e dois peixes são sete é o símbolo da plenitude, onde todos devem ter acesso aos alimentos sem distinção, que é repartido em doze cestos que depois sobra.

Para Mateus, Jesus quer que o alimento seja partilhado e não acumulado, pois todo o " Alimento é dom de Deus e direito de todos".

No Brasil, o maior país cristão do mundo, temos uma multidão de miseráveis e famintos, numa terra em que á fartura de alimentos que são disperdiçados, da riqueza que é acumulada, da terra, água e alimentos concentrados. Não podemos nos considerar cristãos, discípulos de Jesus, enquanto em nosso meio á pessoas que passam e morrem de fome, vivendo na miséria.

O milagre da multiplicação dos pães e dos peixes não é algo mágico, ela só acontece através da organização popular e da partilha, onde numa época em que o flagelo da fome atinge milhares de seres humanos, familias inteiras em todo o mundo. Somos desfiados a fazer algo para acabar com a fome.

A PROPOSTA DE JESUS é que não devemos de esperar a mudança da sociedade, para resolver o problema da fome, dos poderes políticos e econômicos. Mas fazer apartir dos debaixo, nós mesmos iniciar está mudança, num grande mutirão de superação da miséria e da fome, onde a partilha e organização todos ficam saciados e o pão sobra.

Ao celebrarmos a Eucaristia, celebramos a justiça do Reino de DEUS já presente e de que é acima de tudo partilha. E ao mesmo tempo denunciamos o sistema injusto que acumula e gera fome e miséria.
 
* Pastoral Operária da Arquidiocese de Pelotas/ RS

ANIVERSARIANTES DA SEMANA:

Shows do Tacacá na Bossa de agosto 2011

 Todas às quartas-feiras
defronte ao Tacacá da Gisela 
Largo de São Sebastião - Manaus - Amazonas
Dia
Hora
Apresentação
3
19h
Antonio Pereira
10
19h
Márcia Siqueira
17
18h
Maca Simone Ávila
24
19h
Lucinha Cabral
31
19h
Chico da Silva

Índia Tikuna: Artista Plástica e Cantora

sábado, 30 de julho de 2011

E SE … ENTÃO... INOVAÇÃO

Por: Jonas Gomes da Silva*

Recentemente viajei de barco ao Município de Novo Airão, a fim de prestigiar um evento cultural que escolhelheu os grupos folclóricos que irão representar o Amazonas nacionalmente em 2012. Os fatos que ocorreram durante o percurso da viagem me fizeram refletir sobre as inúmeras oportunidades de inovação que poderíamos realizar em nosso Estado, as quais compartiho com os leitores nas próximas linhas.

Ao chegar com a minha filha, esposa e amigos, às 22h, ao pequeno porto de São Raimundo, situado perto da ponte de mesmo nome, me veio alguns questionamentos: (1) E se desde 28 de janeiro de 1808, quando o Imperador D. João VI decretou a abertura dos portos às nações amigas, as políticas públicas de investimentos fossem capazes de eficientemente (bom uso dos recursos sem desperdício e corrupção) modernizar os nossos portos, será que mais turístas e investimentos não estariam vindo para o Estado? (2) E se houvesse sintonia entre as gestões dos portos e das Prefeituras Municipais, através de seus Planos de Desenvolvimentos e Zoneamento Portuário (PDZP) e Diretor Urbano (PDU), será que nossos portos estariam menos congestionados e sem habitações desordenadas, sendo um belo cartão postal aos que aqui chegam via fluvial? (3) E se houvesse fomento a pesquisas para caracterizar os principais problemas e necessidades locais dos portos, a fim de propor a implementação de tecnologias ou inovações necessárias para a adequação dos portos aos novos desafios da região, será que não ajudaria os tomadores de decisão a modernizá-los? (4) E se houvesse uma boa relação entre a academia e os gestores dos portos será que não haveria claros benefícios mútuos? Enquanto a academia pode produzir ciência e formar pessoal altamente capacitado, os portos podem receber os benefícios de gerenciar suas operações de maneira eficiente, ecológica e socialmente responsável;

Depois de encontrar o barco, todos arrumaram suas redes e partimos rumo a Novo Airão. Perto das 1h15 da madrugada, uma forte ventania e chuva alcançaram o barco, cujo motor de energia não funcionou obrigando o capitão a momentaneamente desligar o motor geral para evitar colisão com a terra ou com algum objeto flutuante tendo em vista que a visibilidade era quase zero. Graças a uma lanterna, conseguimos visualizar que não estávamos perto de terra e as 2h45 conseguimos escapar da chuva e continuar a viagem normalmente. Fora as questões de segurança, um pouco precária no barco, o colunista ficou questionando se existia pesquisa local para desenvolver equipamentos ou sensores que permitissem ao capitão de qualquer embarcação, identificar em viagens noturnas os obstáculos que estão pela frente, sua dimensão e localização, a fim de evitar colisões e mortes, tão comuns em nossa região.
 
Ao sairmos da região chuvosa, um céu bem estrelado apareceu, fazia muito tempo que não contemplava as constelações e as estrelas cadentes. E se nos principais barcos acontecesse oficinas de astronomia, com direito a lunetas, binóculos e telescópios? E se houvesse pelo menos um barco com equipamentos de astronomia viajando pelos interiores da Amazônia, não somente para fazer pesquisa, mas também para popularizar a astronomia para os interioranos e também fazê-los viajar pelo universo das estrelas? Será que não estaríamos de forma divertida, despertando a vocação científica de nossos moradores, bem como conhecendo as suas histórias, lendas e conhecimentos tradicionais relativo ao céu, terra e água?

Raiando a aurora do sábado do dia nove de julho/2011, fiquei positivamente surpreendido com o porto de Novo Airão, bem diferente do porto que partimos. Após pesquisar alguns hotéis, escolhemos a Pousada Recanto das Orquídeas, um estabelecimento que chamou a atenção pelas plantas, flores e orquídeas que rodeiam cada quarto do recinto. Tivemos o prazer de conhecer e conversar com o Senhor Luís Carlos de Mattos Areosa, proprietário do imóvel e ex-prefeito do município, o qual nos atendeu com uma educação diferenciada e que infelizmente veio a falecer na noite de domingo, momento em que estávamos torcendo pelo nosso grupo folclórico. Sua morte repentina me fez refletir sobre os encontros que temos durante a vida e o legado que deixamos para as futuras gerações. E se cada gestor agisse pensando no longo prazo e não apenas nos quatro ou oito anos de governo? Será que nossos sistemas governamentais não teriam criado uma ambiência favorável à inovação?

Ao retornar para Manaus, a Ponte Manaus Iranduba chamou a atenção de todos os passageiros. Olhando o modelo de ponte adotado, me questionava: E se o mastro central de 165m de altura, tivesse sido projetado para ser além de sustendo, também ter um acabamento que representasse uma grande estátua do índio AJURICABA? E se cada pilar da ponte representasse um município do Amazonas, todo grafitado por artístas locais, contendo direção, estatisticas e as potencialidades da cidade? E se, a exemplo da Ponte de Yokohama do Japão, a parte inferior da ponte fosse composta de pequenos observatórios, onde os turístas poderiam ter acesso ao topo do Ajuricaba para visualizar toda a região do Rio Negro e a cidade de Manaus? E se você leitor questionasse, fiscalizasse e apontasse melhoria, então a inovação teria mais chance de florescer, pois enquanto isso não acontece, muitos aditivos serão criados para saquear o nosso erário e enriquecer o bolso de poucos em nome do desenvolvimento.
 
*Dr. Em Engenharia de Produção e Professor da UFAM.
E-mail: gomesjonas@hotmail.com

Projetos selecionados do Comunidade Cidadã somam R$ 4,6 bilhões

O objetivo dos projetos reunidos no Eixo Comunidade Cidadã, do PAC 2, é ampliar a presença do Estado nos bairros populares, com maior cobertura de serviços de saúde, educação, cultura e esporte. Do total previsto de R$ 24 bilhões de orçamento, já foram selecionados projetos que somam R$ 4,6 bilhões.

Neste eixo estão previstas duas ações em saúde, a construção de Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e de Unidades Básicas de Saúde (UBS), totalizando R$ 6,5 bilhões em investimentos. Até julho desse ano, R$ 440 milhões em obras foram selecionados. Com esse recurso, serão construídas 119 UPA, em 96 municípios, de todos os estados brasileiros. Nas UPA e UBS, os cidadãos terão pronto atendimento e acompanhamento básico e integral de saúde. Com a população mais bem assistida, a demanda na emergência de grandes hospitais tende a diminuir.

Crianças
Até julho desse ano, foram selecionados 1.484 projetos de creches e pré-escolas, beneficiando 1.040 municípios de 26 estados, o que representa investimentos de mais de R$ 2 bilhões. Até 2014, serão investidos R$ 7,6 bilhões para a construção de 6 mil unidades. E para aquelas que já estão na escola, o PAC2 tem a meta de construir quadras esportivas em todas as escolas com mais de 500 alunos, com investimento da ordem de R$ 4,1 bilhões até 2014. Serão 6.116 novas quadras cobertas e 4 mil coberturas para quadras já existentes. Já foram selecionados 750 projetos para construção de novas quadras em 468 municípios de 24 estados, somando investimentos de R$ 359 milhões.

Novos espaços públicos para os jovens também estão previstos com as Praças dos Esportes e da Cultura, que combinam assistência social com lazer e cultura. Em 2011, já foram selecionadas 401 praças, distribuídas em 362 municípios. Esses investimentos somam R$ 901 milhões, ou 56,3% do valor total previsto.
 
Fonte: http://www.secom.gov.br

Luz Para todos realiza 132 mil ligações em 2011

O compromisso de universalizar o acesso à energia elétrica e abastecimento de água está presente no PAC2, que reúne no mesmo eixo as iniciativas no Nordeste Setentrional e demais regiões onde há escassez, além de revitalizar bacias e irrigação. O programa Luz Para Todos tem como meta realizar 813 mil ligações nos próximos quatro anos. Deste total, cerca de 31% (257 mil ligações) atenderão ao programa Brasil Sem Miséria, beneficiando pessoas em situação de extrema pobreza. O programa já fez 132 mil ligações em 2011.

PAUL KRUGMAN: "Podemos estar perto de reviver a crise de 1930"

Para aqueles que conhecem a história da década de 1930, o que está ocorrendo agora é muito familiar. Se alguma das atuais negociações sobre a dívida fracassar, poderemos estar perto de reviver 1931, a bancarrota bancária mundial que alimentou a Grande Depressão. Mas se as negociações tiverem êxito, estaremos prontos para repetir o grande erro de 1937: a volta prematura à contração fiscal que terminou com a recuperação econômica e garantiu que a depressão se prolongasse até que a II Guerra Mundial finalmente proporcionasse o "impulso" que a economia precisava.
 
Esta é uma época interessante, e digo isso no pior sentido da palavra. Agora mesmo estamos vivendo, não uma, mas duas crises iminentes, cada uma delas capaz de provocar um desastre mundial. Nos EUA, os fanáticos de direita do Congresso podem bloquear um necessário aumento do teto da dívida, o que possivelmente provocaria estragos nos mercados financeiros mundiais. Enquanto isso, se o plano que os chefes de Estado europeus acabam de pactuar não conseguir acalmar os mercados, poderemos ter um efeito dominó por todo o sul da Europa, o que também provocaria estragos nos mercados financeiros mundiais.

Somente podemos esperar que os políticos em Washington e Bruxelas consigam driblar essas ameaças. Mas há um problema: ainda que consigamos evitar uma catástrofe imediata, os acordos que vêm sendo firmados dos dois lados do Atlântico vão piorar a crise econômica com quase toda certeza.

De fato, os responsáveis políticos parecem decididos a perpetuar o que está sendo chamado de Depressão Menor, o prolongado período de desemprego elevado que começou com a Grande Recessão de 2007-2009 e que continua até o dia de hoje, mais de dois anos depois de que a recessão, supostamente, chegou ao fim.

Falemos um momento sobre por que nossas economias estão (ainda) tão deprimidas. A grande bolha imobiliária da década passada, que foi um fenômeno tanto estadunidense quanto europeu, esteve acompanhada por um enorme aumento da dívida familiar. Quando a bolha estourou, a construção de residências desabou, assim como o gasto dos consumidores na medida em que as famílias sobrecarregadas de dívidas faziam cortes.

Ainda assim, tudo poderia ter ido bem se outros importantes atores econômicos tivessem aumentado seu gasto e preenchido o buraco deixado pela crise imobiliária e pelo retrocesso no consumo. Mas ninguém fez isso. As empresas que dispõem de capital não viram motivos para investi-lo em um momento no qual a demanda dos consumidores estava em queda.

Os governos tampouco fizeram muito para ajudar. Alguns deles – os dos países mais débeis da Europa e os governos estaduais e locais dos EUA – viram-se obrigados a cortar drasticamente os gastos diante da queda da receita. E os comedidos esforços dos governos mais fortes – incluindo aí o plano de estímulo de Obama – apenas conseguiram, no melhor dos casos, compensar essa austeridade forçada.

De modo que temos hoje economias deprimidas. O que propõem fazer a respeito os responsáveis políticos? Menos que nada. A desaparição do desemprego da retórica política da elite e sua substituição pelo pânico do déficit tem verdadeiramente chamado a atenção. Não é uma resposta à opinião pública. Em uma sondagem recente da CBS News/The New York Times, 53% dos cidadãos mencionava a economia e o emprego como os problemas mais importantes que enfrentamos, enquanto que somente 7% mencionava o déficit. Tampouco é uma resposta à pressão do mercado. As taxas de juro da dívida dos EUA seguem perto de seus mínimos históricos.

Mas as conversações em Washington e Bruxelas só tratam de corte de gastos públicos (e talvez de alta de impostos, ou seja, revisões). Isso é claramente certo no caso das diversas propostas que estão sendo cogitadas para resolver a crise do teto da dívida nos EUA. Mas é basicamente igual ao que ocorre na Europa.

Na quinta-feira, os “chefes de Estado e de Governo da zona euro e as instituições da UE” – esta expressão, por si só, dá uma ideia da confusão que se tornou o sistema de governo europeu – publicaram sua grande declaração. Não era tranquilizadora. Para começar, é difícil acreditar que a complexa engenharia financeira que a declaração propõe possa realmente resolver a crise grega, para não falar da crise europeia em geral.

Mas mesmo que pudesse, o que ocorreria depois? A declaração pede drásticas reduções do déficit “em todos os países salvo naqueles com um programa” que deve entrar em vigor “antes de 2013 o mais tardar”. Dado que esses países “com um programa” se veem obrigados a observar uma estrita austeridade fiscal, isso equivale a um plano para que toda a Europa reduza drasticamente o gasto ao mesmo tempo. E não há nada nos dados europeus que indique que o setor privado esteja disposto a carregar o piano em menos de dois anos.

Para aqueles que conhecem a história da década de 1930, isso é muito familiar. Se alguma das atuais negociações sobre a dívida fracassar, poderemos estar perto de reviver 1931, a bancarrota bancária mundial que tornou grande a Grande Depressão. Mas se as negociações tiverem êxito, estaremos prontos para repetir o grande erro de 1937: a volta prematura à contração fiscal que terminou com a recuperação econômica e garantiu que a depressão se prolongasse até que a II Guerra Mundial finalmente proporcionasse o impulso que a economia precisava.

Mencionei que o Banco Central Europeu – ainda que, felizmente, não a Federal Reserve – parece decidido a piorar ainda mais as coisas aumentando as taxas de juros?

Há uma antiga expressão, atribuída a diferentes pessoas, que sempre me vem à mente quando observo a política pública: “Você não sabe, meu filho, com que pouca sabedoria se governa o mundo”. Agora, essa falta de sabedoria se apresenta plenamente, quando as elites políticas de ambos os lados do Atlântico arruínam a resposta ao trauma econômico fechando os olhos para as lições da história. E a Depressão Menor continua.

(*) Professor de Economía em Princeton e Prêmio Nobel 2008.

PAC investe R$ 86,4 bilhões no primeiro semestre


Cronograma está em dia para 89% do investimento previsto para 2011-2014
Os dados do primeiro balanço do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC2) revelam que foram investidos R$ 86,4 bilhões em obras nas áreas de transporte, saneamento, habitação, energia, mobilidade urbana, recursos hídricos e equipamentos de serviços sociais, culturais, esportivos e de saúde. Dos investimentos monitorados, estão sendo executados em dia 89% do previsto a partir dos recursos do Orçamento Geral da União (OGU) Fiscal e Seguridade, estatais e setor privado. Estão em estado de atenção 8% do valor total do orçamento; 2% têm execução preocupante e 1% foi concluído.

No monitoramento do PAC, o critério de valores investidos é considerado o mais adequado porque não iguala obras e ações de grande complexidade com obras de menor amplitude. Segundo o critério por número de obras, 9% foram concluídas, 76% estão em ritmo adequado, 12% necessitam de atenção e 3% estão com execução considerada preocupante.

O PAC2 investirá R$ 955 bilhões entre 2011 e 2014. Nesse período, o valor para conclusão de obras é de R$ 708 bilhões ou 74% do total previsto. As demais obras, 26% do total, serão concluídas após 2014, uma previsão de execução de R$ 247 bilhões. Entre elas, estão grandes obras de infraestrutura em andamento no Brasil, como: Usina Hidrelétrica Belo Monte, Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro e Ferrovia de Integração do Centro-Oeste.

Estágios
Os empreendimentos que já foram concluídos entre janeiro e junho de 2011 somam R$ 45,7 bilhões. Essas obras fazem parte dos programas Cidade Melhor, que teve R$ 26,5 milhões para saneamento e prevenção em áreas de risco, e o Minha Casa, Minha Vida, que recebeu R$ 38 bilhões. A área de transportes teve R$ 6,1 milhões executados em portos e aeroportos. O setor de energia executou R$ 7,7 bilhões em geração, transmissão e empreendimentos de refino e produção de óleo e gás.

As obras e ações do PAC percorrem diversos estágios até que sejam executadas fisicamente, entre elas: elaboração e aprovação de projeto, aprovação do licenciamento ambiental, licitação, contratação e execução do empreendimento ou ação. Desse modo, a evolução dos estágios é um importante indicador de problemas que devem ser atacados para que as obras e ações mantenham seus cronogramas.

O indicador de estágios das ações monitoradas, considerando seus valores, demonstra que até o dia 30 de junho deste ano 56% estavam em obras, 30% em fase de projeto ou licenciamento, 13% em licitação de obra e 1% estavam concluídas.

Crescimento do PIB será de 4,5% a 5,5% neste ano
O Brasil tem todas as condições macroeconômicas para manter o crescimento na faixa dos 4,5% a 5,5%, sem pressões inflacionárias ou desequilíbrios externos relevantes, segundo o balanço do primeiro semestre do PAC2. O documento leva em consideração o cenário externo preocupante, com a crise da dívida dos Estados Unidos e com os problemas econômicos na zona do euro, porém, avalia que o Brasil permanecerá entre os países emergentes dinâmicos, ao lado da China, Índia e de outras economias que respondem pela maior parte do dinamismo econômico global.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Fórum de Combate à Corrupção do Amazonas realiza reunião hoje

O Fórum Estadual de Combate à Corrupção do Amazonas realiza Reunião Ampliada hoje (29/07), sexta-feira, às 14h, no Sindicato dos Jornalistas do Amazonas, sito à Praça Santos Dumont, 15, centro. No encontro será debatido a seguinte Pauta:
  1. Processo da Emparsanco;
  2. Denúncia de Manacapuru;
  3. Calendário de atividades do segundo semestre; e
  4. Funcionamento do Fórum.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Agricultores realizam Ato Público em defesa da vida e da terra do Tarumã

 
Hoje pela manhã, na calçada que divide as pistas da Avenida Constantino Nery, próximo ao viaduto do Boulevard, trabalhadores e trabalhadoras das Comunidades do Tarumã realizarm um ato de protesto, distribuindo alimentos produzidos nas suas terras.
 
O  ato visa reforçar e apoiar as famílias que produzem na mencionada área. Segundo Lobato, uma das lideranças do movimento, o Governador e o Prefeito colocam toda estrutura do Estado e da Prefeitura para tirar as famílias que lutam pelo direito a terra e defendem  grileiros que se apropriam de grandes lotes de terra para especular.
 
Assim, a comunidade Novo Paraíso, do Tarumã, num gesto nobre e solidário, distribuiu 09 toneladas de alimentos de alta qualidade e sem agrotóxico e protestou também pela falta de moradia.
 

Waldemir José critica a reunião do Plano Diretor

Durante a sessão plenária de hoje na Câmara Municipal de Manaus (CMM), o vereador Waldemir José (PT), criticou a metodologia utilizada na primeira audiência pública realizada nesta terça-feira (26), para tratar da revisão do Plano Diretor da Cidade de Manaus.

Segundo Waldemir, um dos maiores problemas na audiência de ontem foi a ausência da população, que ficou de fora da discussão dos assuntos de interesse da coletividade manauense. “Não basta apenas divulgar o calendário. É preciso políticas de sensibilização da importância da participação popular nessas audiências. A população tem de ser ouvida para que saibamos o que é melhor para todos e para cidade Manaus”, disse.

Para o petista, o tempo limitado e a abordagem dos temas sem levar em conta a cidade como um todo, impede a discussão aprofundada dos problemas que o município enfrenta, esvaziando o sentido real das audiências públicas.

Fonte: Assessoria de Comunicação

POR UM BRASIL ECOLÓGICO, LIVRE DE TRANSGÊNICOS E AGROTÓXICOS


A sessão de lançamento de O veneno está na mesa foi aclamada por cerca de 800 pessoas que lotaram o teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, na última segunda (25/07). O novo documentário do cineasta Silvio Tendler explora as mazelas humanas e ambientais decorrentes do fato de o Brasil ser o maior consumidor mundial de agrotóxicos.
 
Realizado com o apoio da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, o filme recupera as origens da revolução verde para apresentar a lógica insustentável do modelo agrícola que deu ao país esse título difícil de ostentar. Aqui o destaque vai para grandes multinacionais da química, que viram na agricultura o mercado perfeito para substituir o uso bélico do agente laranja, napalm e outros.
 
A atualidade urgente do tema é retratada a partir de um recorte de reportagens exibidas recentemente em emissoras nacionais e regionais de TV e de rádio. Do Rio Grande do Sul ao Ceará, passando pelo Mato Grosso e Espírito Santo, o que se vê é que o discurso das safras recordes ou da sustentação da balança comercial não mais dá conta de esconder seu lado nefasto. Os principais especialistas em saúde ambiental e toxicologia trazem casos e dados dos prejuízos causados por um modelo de agricultura que não cresce sem agrotóxicos, e que hoje, em claros sinais de saturação, usa mais agrotóxicos do que cresce. Contudo, está no ar uma nova investida de marketing que diz que é esse “o Brasil que cresce forte e saudável”.
 
Mas a agricultura orgânica não daria conta de alimentar a população, dizem. Se a agricultura orgânica for entendida como aquela em que se tira a química e pronto, isto é fato, conforme resume Ana Maria Primavesi, referência mundial em manejo ecológico dos solos. Porém, se o solo for vivo e alimentado para sustentar grande diversidade de organismos, este produzirá plantas saudáveis, em quantidade, ao mesmo tempo que dispensará os agrotóxicos. A conclusão de Primavesi, que também é produtora, é confirmada na prática pelo depoimento do agricultor do interior paulista que tira 15 toneladas de alimentos por ano de cada um dos 20 hectares que cultiva sem venenos e adubos químicos. Do Rio Grande do Sul vem o exemplo do produtor familiar que recriou sua própria semente de milho crioulo após ter perdido as variedades tradicionais que cultivava, substituídas pelas híbridas.
 
Esse caminho cada vez mais confirma sua viabilidade. Faltam agora as políticas certas que farão crescer a agricultura que vai tirar o veneno da mesa.